2017
DOI: 10.17666/329402/2017
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Colonialidade: O Lado Mais Escuro Da Modernidade

Abstract: Este texto argumenta que a “colonialidade” é o lado mais escuro da modernidade ocidental, uma matriz de poder que surgiu entre o Renascimento e o Iluminismo durante a colonização das Américas, e que está culminando com o neoliberalismo capitalista dos tempos atuais. Primeiro, estabelece a tese de que a colonialidade, um conceito que foi introduzido pelo sociólogo Anibal Quijano, é a “pauta oculta” da modernidade. Em seguida, explica a origem desse “monstro de quatro cabeças e duas pernas” e analisa a formação … Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1
1

Citation Types

0
31
0
262

Year Published

2019
2019
2022
2022

Publication Types

Select...
5
3

Relationship

0
8

Authors

Journals

citations
Cited by 362 publications
(421 citation statements)
references
References 7 publications
(8 reference statements)
0
31
0
262
Order By: Relevance
“…Em relação à colonialidade, a partir de Mignolo (2005), cabe destacar que esse conceito expressa "o outro lado (o lado escuro) da modernidade". A interface colonialidade e modernidade permanece escondida, isto é, ela não é explicitada pelas narrativas que recepcionam a concepção de civilização tecida em geral a partir do molde europeu-ocidental.…”
Section: Proposição De Uma Epistemologia Pedagógica De Decolonialidadeunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Em relação à colonialidade, a partir de Mignolo (2005), cabe destacar que esse conceito expressa "o outro lado (o lado escuro) da modernidade". A interface colonialidade e modernidade permanece escondida, isto é, ela não é explicitada pelas narrativas que recepcionam a concepção de civilização tecida em geral a partir do molde europeu-ocidental.…”
Section: Proposição De Uma Epistemologia Pedagógica De Decolonialidadeunclassified
“…E, desde a América Latina, embora não única, essa alteridade tem como expressão primeira a realidade dos povos indígenas. A partir dessa realidade, a tarefa deste artigo consistiu em refletir sobre proposição de uma epistemologia pedagógica de libertação, decolonial (MIGNOLO, 2005). Não se tratou apenas de instigar uma curiosidade epistemológica, mas recuperar e se deixar interpelar por outra possibilidade de compreender e viver a condição humana, em uma relação de aprendência, em que o movimento do próprio existir humano se torna processo de um constante aprender a partir de suas intermitentes interações.…”
Section: à Guisa De Conclusãounclassified
“…This research is part of a larger project called "Challenges of Internationalization of Higher Education: World-Class Universities". 2 We seek to support our analysis from a decolonizing approach (Dussel, 1986(Dussel, , 1977Freire, 2015;Mignolo, 2017;Peters, 2017;Santos, 2015). We understand this approach as pluri-or multi-universal rather than universal, which is not meant to be the only option, but one among many possibilities that could even be put to work together.…”
Section: Introductionmentioning
confidence: 99%
“…Beings, things, and possibilities are multiple, different. In that sense, the decolonial cosmopolitanism should be thought of as cosmopolitan localism (Mignolo, 2017).…”
Section: Introductionmentioning
confidence: 99%
“…No caso do Coletivo Guarani Mbya, diferentemente dos outros coletivos, os filmes apontam para uma problemática central: a questão indígena 8 -o processo secular de expropriação e de resistência dos povos originários em defesa do seu patrimônio territorial e cultural. Como leitmotiv imagético decolonial, com o espaço histórico se confundindo, em permanência, com o espaço fílmico, vemos nas ruínas jesuítas de São Miguel (embalado, museificado, pedagogizado) um locus contranarrativo que desnuda a colonialidade latente (Quijano, 2005;Mignolo, 2017).…”
unclassified