2010
DOI: 10.7322/jhgd.19982
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: Resumo:A obra de Bakhtin tem sido apropriada não apenas pela Linguística, como também por diferentes áreas do conhecimento, como a Psicologia, a Educação e as Artes. Ao aproximarmos este autor do campo do desenvolvimento humano, podemos compreender de que modo o dialogismo e a polifonia podem ser evocados no diálogo com os contextos desenvolvimentais e com as práticas discursivas. Essa aproximação contribui para repensar o paradigma científico que contempla o desenvolvimento unicamente como uma sequência linea… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1

Citation Types

0
0
0
2

Year Published

2016
2016
2016
2016

Publication Types

Select...
1
1

Relationship

0
2

Authors

Journals

citations
Cited by 3 publications
(2 citation statements)
references
References 9 publications
(16 reference statements)
0
0
0
2
Order By: Relevance
“…para Bakhtin ([1952-53] Esse é o aprendiz que, acreditamos, vai se apropriar da linguagem e, a partir de então, revelar maior ou menor autonomia para agir como o sujeito bakhtiniano, capaz de perceber que "a palavra é o material da linguagem interior e da consciência, além de ser elemento privilegiado da comunicação cotidiana, que acompanha toda criação ideológica, estando presente em todos os atos de compreensão e de interpretação" (SCORSOLINI-COMIN;SANTOS, 2010, p. 08).…”
unclassified
“…para Bakhtin ([1952-53] Esse é o aprendiz que, acreditamos, vai se apropriar da linguagem e, a partir de então, revelar maior ou menor autonomia para agir como o sujeito bakhtiniano, capaz de perceber que "a palavra é o material da linguagem interior e da consciência, além de ser elemento privilegiado da comunicação cotidiana, que acompanha toda criação ideológica, estando presente em todos os atos de compreensão e de interpretação" (SCORSOLINI-COMIN;SANTOS, 2010, p. 08).…”
unclassified
“…Todo discurso para Bakhtin é resultado de um ato entre interlocutores, ele é dialógico, portanto, não há discurso que surja do vazio, mas sim, cada discurso é fruto de uma constante interação entre o sujeito da enunciação com seu próprio contexto social, sua história pessoal e social, seus interlocutores etc (Sconsorlini-Comin e Santos, 2010).…”
Section: Gege (2009) Nos Trazunclassified