2016
DOI: 10.1590/cc0101-32622016162655
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: RESUMO: A educação nas prisões foi objeto de discussões no Ministério da Educação nos anos 2000, no contexto do movimento de debate educacional que incorporou grupos, movimentos sociais e representantes de segmentos historicamente excluídos das políticas públicas do Estado brasileiro. Este artigo apresenta reflexões desenvolvidas em pesquisa de doutorado cujo objetivo foi analisar experiências educativas, desenvolvidas por educadores no interior de escolas do sistema prisional de São Paulo, tendo como cerne a … Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1

Citation Types

0
0
0
2

Year Published

2018
2018
2021
2021

Publication Types

Select...
2

Relationship

0
2

Authors

Journals

citations
Cited by 2 publications
(2 citation statements)
references
References 0 publications
(2 reference statements)
0
0
0
2
Order By: Relevance
“…É possível observar diversos processos educativos, muitas vezes experienciados por trabalhadores apenados desses complexos prisionais, que podem proporcionar significativas modificações quanto às suas concepções acerca das vivências e relações de/com o trabalho. Parte-se da compreensão do trabalho como possibilidade de educação/emancipação social e ressocialização desses sujeitos privados de liberdade, para tratar a educação como estratégia de qualificação de mão de obra para o trabalho, de tal forma que o indivíduo possa ter sua capacidade produtiva maximizada durante a privação de sua liberdade (CARVALHO, 2016).…”
Section: Alimentação E Direitos Humanos: Uma Perspectiva Gastronômica Em Complexos Prisionais Brasileirosunclassified
“…A análise dos artigos publicados revelou a existência de um binômio entre a educação e o trabalho prisional, pois a educação é vista como trabalho por parte da LEP, garantindo até mesmo a remição a partir do estudo. Carvalho (2016) trata a educação como estratégia de qualificação de mão de obra para o trabalho, de tal maneira que o indivíduo possa ser melhor explorado durante a privação da sua liberdade. Já Ireland e Lucena (2016) problematizam como intramuros são instaurados complexos industriais, com baixo custo e alta produtividade, o que intensifica a competição entre os presos, pois eles precisam aprimorar a mão de obra para serem "escolhidos" para os trabalhos obtidos como prêmios.…”
Section: O Binômio Entre a Educação E O Trabalho Prisionalunclassified