volume 11, issue 1, P111-129 2009
DOI: 10.1590/s1517-106x2009000100010
View full text
|
|
Share

Abstract: O romance de Defoe, por um lado, traduzia valores histó-ricos do individualismo, pertinentes ao estatuto da modernidade, tornada plena no século XVIII e, por outro, tematizava, ainda que sem deixar isso claro, o nível de dependência que a produção de bens circunscreveria sobre as cabeças dos que estivessem no papel desempenhado pelo indígena Sexta-Feira, no texto inglês: o de subordinado ao poder de seu "amo". Passado o impulso fundador das narrativas iluministas e românticas que elaboraram a ideologia do nov…

Expand abstract