2008
DOI: 10.1590/s0104-83332008000200015
View full text
|
Sign up to set email alerts
|
Share

Abstract: ResumoFeministas e outros acadêmicos vêm debatendo teoricamente o que exatamente é comprado numa transação de prostituição e se o sexo pode ser "um serviço como qualquer outro", mas raramente lidaram empiricamente com essas questões. Este artigo se baseia em observações de campo e entrevistas com clientes masculinos de trabalhadoras do sexo comercial e com agentes do Estado encarregados de regulá-las para investigar os significados dados a diferentes tipos de trocas sexuais comerciais. Manifestados por detenç…

Expand abstract