2003
DOI: 10.1590/s0104-83332003000100002
View full text
|
|
Share

Abstract: Analisando a relação sadomasoquista de um casal vitoriano, a autora argumenta que o travestismo de Hannah Cullwick e seu fetichismo eram tentativas sistemáticas de negociar os perigos do que, segundo ela, foi um dos atos de desaparecimento mais bem sucedidos da história moderna - a ocultação do trabalho doméstico das mulheres. Recusando-se a trocar a sua força desordeira da classe trabalhadora pelas rédeas da respeitabilidade, Hannah se adornou com seus próprios grilhões simbólicos, pondo em questão, de modo d…

Expand abstract